quarta-feira, julho 02, 2014

Ao espelho


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Um dos grandes fascínios que a literatura exerce em mim é poder encontrar-me, inesperadamente, num qualquer recanto de página e, nesse momento, sentir que não estou sozinha, ninguém está sozinho, por mais esdrúxula que possa parecer a identificação encontrada. 

Comecei a ler “Para onde vão os guarda-chuvas” de Afonso Cruz (Editora Objectiva, 2013) e, logo nas epígrafes, lá estou:

De certeza que já te cruzaste comigo mil vezes, mas o teu olhar nunca se fixou em mim. Admiras-te? Sou assim: não atraio a atenção. Sou um camaleão humano ou algo parecido. Dissolvo-me no que me rodeia, faço parte da paisagem: não tenho nada em que os olhos se prendam. Tudo em mim é de tal forma comum que as pessoas olham e não me vêem.
(Testamento de um poeta judeu assassinado, Elie Wiesel)

Os que me são próximos sabem que sinto assim.
Dantes, talvez porque ainda quisesse deixar uma marca no mundo, havia decepção. Agora, uma bênção.

Imagem: Girl at mirror, 1954 – Capa de The Saturday Evening Post, 6 Março de 1954, de Norman Rockwell

Sem comentários:

Publicar um comentário