terça-feira, março 19, 2013

Outro Francisco, o meu


Foste-te embora há tantos anos!
Partiste sem aviso e sem tempo para despedidas.

Foi como se, de repente, tirassem uma perna à nossa velha mesa, aquela onde nos sentávamos e em que, desde cedo, nos falaste de política − ditadura e democracia, justiça e injustiça, igualdade e desigualdade, e onde também contaste de livros, valores, heróis, e outras grandezas.

Com essa tua saída apressada perdeste uma infinidade de coisas boas, e também algumas más.
Diria que merecias tê-las visto todas, mas não me parece que merecimento deva entrar nesta equação.

Hoje, 19 de Março 2013, acredita que não tenho a menor vontade de te falar das coisas desagradáveis que por aqui vão acontecendo.
Não trago pedras no bolso, não as quero.

Dentro do envelope apenas meia dúzia de palavras descuidadas, próprias de vidas simples e tempos normais:

“Allô pai, bom dia!
Acho que o teu Benfica é bem capaz de ganhar o campeonato este ano.
Beijos.”

 

1 comentário:

  1. Acho que ele havia de gostar desse envelope...
    Beijo
    Rute

    ResponderEliminar