segunda-feira, junho 16, 2014

Fake it













 
 
 
 
 
Ontem percebi que é já para a semana que faço anos outra vez.

Melhor do que falecer”, pensei, mas também pensei na fantástica força que continua a ter a narrativa-maravilha sobre o envelhecimento.

Por toda a parte se ouve e lê o mesmo discurso, sempre acompanhado das receitas que nos farão morrer saudáveis e viver o envelhecimento como uma parte maravilhosa da vida, cheia de beleza, encantos mil, etc. e tal.

Por mim, não escondo, detesto envelhecer, mas a toda a hora estou a levar com o discurso oficial e obrigatório, sobretudo para as mulheres:

− Continue activa, a menopausa, vendo bem, nem existe, a síndrome do ninho vazio só ataca as outras, as fracas, mantenha a cabeça activa e verá que também o corpo se manterá em óptimo estado de conservação sem necessidade de usar formol, os filhos partem, claro, porque não são nossos, são do mundo, dizem.

Segue-se a receita:

Vá ao ginásio, saia com as amigas, leia um livro, vá ao cinema, mantenha-se informada, faça palavras cruzadas, arranje um hobbie.

Os mais novos acreditam piamente nisto; tanto que até desprezam a tal sabedoria que vem com a idade no caso de ela ousar responder-lhes que não é bem assim, e que envelhecer é uma merda.

Confesso que tempos houve em que também eu acreditei no discurso maravilha, mas agora, quando levo com ele em cima, tenho sempre vontade de perguntar se me garantem que lendo um livro a cintura não engrossa, se for ao ginásio as bochechas não descaem, se sair com as amigas não tenho cataratas, se me mantiver informada as articulações não emperram, se fizer palavras cruzadas sou capaz de me voltar a lembrar das linhas de caminho-de-ferro de Angola, e, se até concordo que os filhos não são nossos, ainda gostava que me ensinassem como se abraça um filho no Skipe. Qual a app? Onde se compra?

Tretas, lérias, patranhas, cantigas, paleio fiado, habilidades, trampolinices discursivas que põem a velharia toda numa de fake it till you make it.

Lamentavelmente, comigo não dá; por mais que me impinjam a narrativa-maravilha continuo a achar que envelhecer é apenas, e exclusivamente, melhor do que falecer.
Mau feitio, claro.

 

Sem comentários:

Publicar um comentário