segunda-feira, março 03, 2014

Um outro 2 de Março



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Cumpriu-se ontem um ano sobre a segunda grande manifestação organizada pelo movimento “Que se lixe a troika”.

Alguém afirmava no Facebook que, nesse dia, éramos um milhão e meio em 40 cidades do país.
Não éramos, como foi óbvio para quem lá esteve com olhos de ver, mas os pequenos vídeos da manifestação que por aí correm relembram “aventuras”, desventuras e protagonistas deste ano passado.

Desde logo, e em tão pouco tempo, ficámos sem Relvas e ganhámos Relvas outra vez.

Victor Gaspar foi-se embora no verão dizendo que o seu plano se tinha revelado uma merda, mas já reapareceu, antes do Carnaval, dizendo que não, que não era merda nenhuma. E foi promovido.

Portas demitiu-se irrevogavelmente porque “não ia à bola” com a Albuquerque, mas revogou a irrevogável demissão e, juntinhos e cúmplices, dão conferências de imprensa auto-congratulatórias sobre o estado a que isto chegou. Também foi promovido.

O FMI mudou algumas moscas das que nos visitam regularmente mas continua a dizer que os portugueses estão bem demais. Cortem!

Muitos milhares dos jovens que se vêem nos vídeos levantando cartazes cheios de humor espalharam-se, entretanto, pelo mundo. Já cá não estão.
Os velhos, ainda cá estão, mas ficaram mais velhos, perderam reformas, certezas e, sobretudo, perderam alegria.

Não adianta escamotear a questão − não haverá mais manifestações assim, nem reais nem ficcionadas.
A energia então mobilizada esvaiu-se, foi para parte incerta, e se a verdade pode doer, mesmo assim precisa de ser encarada – eles quebraram-nos. E ganharam!

Sem comentários:

Publicar um comentário