segunda-feira, janeiro 27, 2014

O ovo da serpente


 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
 
 
 
O país acordou, subitamente, para o tema “praxes”.

Até aquele homem muito perigoso, que resolve tudo sozinho ou com os seus amigalhaços – desde os programas de matemática até às bolsas de doutoramento − e que dá pelo nome de Nuno Crato, achou que não podia ficar de fora da refrega e continuar a assobiar para o lado.

E que faz este homem muito perigoso que não tem por hábito ouvir ninguém?

Ó céus, vai OUVIR reitores e associações de estudantes.

Findas as audições, já se sabe, cada um voltará para o seu canto, e dará, a seu modo, uso às insígnias da praxe:
- O ministro continuará a usar a tesoura para fazer mais cortes.
- Os praxistas continuarão a brincar com colheres de pau e mocas.
- Os reitores ficam com os penicos (maravilhosas insígnias da insigne academia portuense) visto que se borram de medo quer do ministro, quer dos estudantes praxistas.

Periodicamente voltaremos ao tema, provavelmente quando morrer mais alguém.
E o ovo da serpente continuará, paulatinamente, a crescer entre nós.

Sem comentários:

Publicar um comentário