quinta-feira, junho 04, 2015

Aprender latim


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quando li esta notícia sobre oferta de aulas de latim e grego no ensino preparatório, o meu coração, que é um bicho esquisito, encheu-se de alegria nas aurículas e de tristezas nos ventrículos.

Alegria, pela extraordinária oportunidade que é dada aos miúdos de hoje de começarem a aprender as línguas mortas antes da vivas e de, com essa fantástica ferramenta virem, quiçá, a perceber porque passou toda a gente a escrever espetador, ótimo ou Egito, por exemplo.

Cá por mim, acho esta escrita tão obtusa que me parece que terá raízes num esquecido decreto, sobre normas de ortografia, publicado por Calígula que, como toda a gente sabe, não batia bem da bola e fumava coisas de pouca qualidade.
Mas a aprendizagem do latim vai ajudar os miúdos a perceber, tenho a certeza, como a tenho sobre a visão de futuro de Nuno Crato.

A tristeza que me inundou os ventrículos advém de eu própria não ter tido tamanha oportunidade quando era pequenina.

É que eu só estudei latim aos 15 e 16 anos e, sendo certinho que não me lembro de nada, posso dizer que gostei muito – não tanto do latim em si, mas desse tempo das cerejas em que eu aprendia (pouco) latim, mas muito sobre…julgo que era química.

Sem comentários:

Publicar um comentário