quinta-feira, janeiro 16, 2014

Felicidade


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A felicidade não será o coração desse momento culminante, “essa espécie de eternidade fugidia” (MF) em que o homem se encontra para logo se perder?

In “Felicidade em Albert Camus”
Marcello Duarte Mathias
D. Quixote

MFA Morte Feliz, Albert Camus

Nota: encontrei a imagem aqui reproduzida no Facebook há algum tempo, mas desconheço a sua autoria, o que lamento.
Foi tirada no final da guerra e nela um menino, que julgo austríaco, acaba de receber uns sapatos.
Reproduzo-a por ser tão comovedora e por nela encontrar “essa espécie de eternidade fugidia”, esse momento raro e fugaz de completa felicidade.

Nota 2: segundo informação que me chegou dum amigo através do Facebook, mas  posterior à publicação inicial deste post, trata-se de uma fotografia de Gerald Waller, tirada em 1946 num orfanato austríaco e publicada na revista Life
Já agradeci a informação, mas volto a fazê-lo aqui.



 


 

2 comentários:

  1. Felicidade, é aí que tudo vai desembocar, não é verdade! Seja lá o que isso for, se todos, ou quase, o fossemos, felizes, tudo o resto pouco importaria! Ensaiemos pois esses momentos - essa é a contribuição que podemos dar para o bem do Mundo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tentar multiplicar esses momentos de eternidade fugidia...

      Eliminar