quinta-feira, abril 18, 2013

Pode ser-se intelectual e parolo? Pode!

Dantes, os portugueses tinham imenso medo dos juízos morais dos vizinhos.

Agora, que ninguém conhece os vizinhos, passámos a ter imenso medo dos juízos dos de “lá fora”.

É muito triste ver esse medo a vergar a espinha daqueles que deviam ser exemplo de espírito independente: os intelectuais.

Atentemos no que escreveu Vasco Graça Moura a propósito de declarações (infelizes) de Mário Soares e choremos, irmãos.

“Em plena democracia, um ex-presidente da República de Portugal não pode dizer coisas dessas. Já se imaginou como isso turvará o seu prestígio dentro e fora do país? E tratando-se de quem se trata, como nos atinge a todos? Não faltará quem se pergunte por essa Europa fora (e, claro, entre as instituições mandantes da troika e dos credores), que raio de democracia é a portuguesa, cujo primeiro ex-presidente socialista profere tais enormidades?”

Submissão e parolice de meter dó.
Infelizmente não é o único intelectual que ainda por aí com o nariz quase a bater no chão. .


Sem comentários:

Publicar um comentário