segunda-feira, janeiro 28, 2013

No país dos homens muito inteligentes

É aqui, esse país, e temos vários. Os que reúnem maior consenso de “muito inteligentes” são Marcelo Rebelo de Sousa e António Vitorino, um do PSD e outro do PS.

Ambos são dados ao comentário político visionário, raciocínio rápido e “brilhante” e vêem como ninguém o que deve ser feito em política.

Porém, ambos passaram fugazmente por ela, e dela fugiram logo que surgiu uma oportunidade, voltando às suas cátedras, escritórios de advogados, pareceres bem pagos e ao comentário “muito inteligente”.
Coisas mais pesadas, como resistir e governar, por favor não lhes peçam, porque as suas brilhantes cabeças não se podem entreter com tão pouco.

Surge-nos agora um novo D. Sebastião, que não tem tanta fama de “muito inteligente” (mas deve ser) e que nem tem fugido da política de trazer por casa − António Costa.
O país do centro para a esquerda, sedento de alternativa credível e oposição que se veja, anseia pela sua liderança no PS.

Veremos o que escolhe: se os seus interesses políticos pessoais, com um voo da Câmara de Lisboa directamente para Belém, ou se arrisca tentar travar o nosso suicídio colectivo polvilhando um futuro governo com um pouco de bom senso.

Por mim, já acredito em tudo, que começa a parecer-se demais com o não acredito em nada.

Sem comentários:

Publicar um comentário