terça-feira, outubro 18, 2011

Como eu vi o 15 de Outubro

Já toda a gente opinou sobre a manifestação de sábado passado. Estou atrasada, é certo, mas também lá estive e devo dizer que cheguei a casa triste, frustrada, muito longe do sentimento de sã plenitude que nos costuma abraçar depois de sermos apenas mais um na mole humana que afirma uma mesma ideia ou convicção.
Éramos muito? Sim, mas também éramos poucos, dada a gravidade do momento.
Quem ali estava era uma classe média-média, entre os 25 e os 60 anos, com um mínimo de formação política, que segue os acontecimentos, se preocupa, busca alternativas a esta política, escuta e pensa.
Estes, como já sabíamos, são poucos em Portugal, logo, éramos poucos.
Os outros estão fartos, há dez anos que ouvem falar em crise, já não se aguenta, e não vão crer antes de ver.
Quanto às guerrinhas partidárias que se esboçaram entretanto, nem comento porque apenas merecem todo o meu desprezo.
Daqui por seis meses, a gente conta outra vez.

Sem comentários:

Publicar um comentário