sexta-feira, março 08, 2013

Mulheres

















Hoje é o Dia Internacional da Mulher.

Escolho três mulheres, influenciada pela leitura dos jornais de ontem.

A primeira é Sharon Stone, a mais famosa trocadora de pernas do globo, que aí vem para ser madrinha dum barco português do Douro.

Acho bem. Uma mulher tem que ganhar a vida de qualquer maneira, mas ela que não se venha queixar se descobrir que havia um milhão de portugueses com vontade de serem amadrinhados por ela.

Depois vem a abnegada Maria Cavaco Silva; imagino-a todas as noites na cozinha do palácio a fazer tisanas e biscoitos para o seu homem que, coitado, naquela idade ainda trabalha dez a doze horas por dia para o nosso verificável bem-estar. Vida sacrificada, a desta Maria, que apenas confirma que por trás dum pequeno homem há sempre uma pequena mulher.

Finalmente, a grande Joana Vasconcelos que vai encher outro palácio, o da Ajuda, com as suas tralhas, em parceria com o empresário Álvaro Covões e a empresa deste, a Everything Is New. Anuncia-se que no quarto da rainha estará uma enorme Vespa, loiça de Bordalo e bordados do Pico.

Em picos fico eu só de imaginar a ousadia da rapariga. E será que no quarto do rei vai haver um Bordalo daqueles que a gente sabe? Se houver deve ser grande, que a Joana gosta de tudo em grande.

 

Pessoalmente gosto de, a 8 de Março, lembrar os milhões de mulheres que, pelo mundo fora, vivem em condições deploráveis, sem direitos, e abaixo de todos os limiares de que nos possamos lembrar.
Dedicar um dia à Mulher continua a ter sentido, sim, mas por elas.

 

 

Sem comentários:

Publicar um comentário