segunda-feira, maio 23, 2011

O rapaz que não gostava de jogar à bola

Era uma vez um rapaz que não gostava de jogar à bola. Preferia as damas, mas o grupo a que pertencia gostava de futebol. Ele queria ser o chefe do grupo, mas este achava que só um bom jogador de bola o poderia ser. O rapaz, um dia, meteu-se em brios e jogou como se não houvesse amanhã. Meteu vários golos, acabou estafado mas, no fim, virou-se para o grupo e disse: viram? eu sei jogar, mas não quero. Foi só para mostrar que vou continuar a ser o chefe porque, disso, eu gosto.
Passos Coelho é como o rapaz que não gosta de jogar à bola. Nos debates apareceu sempre como quem fez os deveres da escola bem feitinhos e a seguir foi jogar damas, deixando o resto do grupo a dizer disparates, porque os seus próprios disparates só diz quando acha oportuno - afinal ele é o chefe. O seu grupo não estava contente e, no último jogo, esforçou-se, fez fintas e marcou golos. O grupo, então, gostou mas, para que ficasse claro que não lhe apetece jogar e ser capitão de equipa, logo no dia seguinte veio dizer aos portugueses que não podia haver tantos feriados e que as medidas de austeridade, se calhar, não eram suficientes.
Ora, Passos Coelho está na política desde a pré-primária e sabe que há coisas que não podem ser ditas em plena campanha eleitoral.
Não se trata de faltar à verdade, trata-se tão só de saber quanta verdade se pode dizer e quanta verdade os outros podem aguentar sem se enfurecerem. Ele parece não querer ser o capitão da equipa, nem querer jogar à bola; dá a impressão que só lhe apetece mostrar que é capaz de ser o chefe do grupo
Pode ser que o empurrem e se veja forçado a jogar, mas lá que ele está a fazer todos os possíveis para que isso não lhe aconteça, lá isso está.

Sem comentários:

Publicar um comentário